O momento da decisão fiscal da Irlanda

DUBLIN - “A construção da Europa é uma arte”, disse uma vez o ex-presidente francês Jacques Chirac. “É a arte do possível”. Se a construção da Europa tem sido a arte do possível, então, a sua desconstrução - ou, pior, o seu colapso - seria um negócio assustador e doloroso.

Essa foi a situação que os líderes europeus enfrentaram no Outono passado. O euro estava com graves dificuldades, fustigado pelos rumores de iminentes colapsos bancários. A rendibilidade das obrigações do Estado, no sul da Europa, estava a subir e uma penetrante sensação de apreensão e de medo camuflava os governos nas capitais europeias. Mas a liderança política estava visivelmente ausente.

Finalmente, em Dezembro, uma medida decisiva foi tomada. Haveria um “tratado fiscal”, que reforçaria o Pacto de Estabilidade e Crescimento e, sobretudo, implicaria sanções automáticas para garantir que os membros da zona euro cumpririam essas regras. Ao mesmo tempo, o Banco Central Europeu lançou a sua operação de refinanciamento de longo prazo de um trilião de euros (1,3 trilião de dólares), a qual afastou o sistema bancário europeu da beira do abismo.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/cHZ00QT/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.