Dean Rohrer

A Líbia Iraquiana

GENEBRA - Enquanto a Líbia da pós-revolução avança, o Iraque paira como um exemplo perigoso. Após 42 anos de ditadura, a Líbia, tal como o Iraque após a queda de Saddam Hussein em 2003, precisa de mais do que boas intenções para se tornar uma democracia vibrante. Precisa de uma construção do Estado organizada em Trípoli - e de formulação de políticas realistas em capitais ocidentais.

As transições bem-sucedidas dependem desde o início de factores cruciais que a Líbia ainda não tem - uma liderança relativamente coesa, uma sociedade civil activa e unidade nacional. Sem estes factores, é provável que a Líbia não encontre o seu equilíbrio e, à semelhança do que aconteceu no Iraque pós-Saddam, irá passar por uma divisão política persistente e uma desordem civil volátil, além de uma série multifacetada de pressões geopolíticas.

Evitar um tal desfecho pressupõe a existência de um centro político forte. Mas, desde o início das insurreições em Fevereiro de 2011, a Líbia foi politicamente volatilizada. Falta-lhe o tipo de sociedade civil que poderia ter conduzido a revolta e plantado as sementes para as políticas pós-autoritárias, como foi o caso na Tunísia e (mais problematicamente) no Egipto.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/mN5xPr3/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.