No interior da revolução consumista em África

JOANESBURGO - Nos dias de hoje, o potencial económico de África - e as oportunidades de negócio que o acompanham - é amplamente reconhecido. A pobreza e o desemprego ainda são superiores aos outros mercados emergentes, mas o crescimento acelerado desde 2000 fez de África a segunda região do mundo que cresce mais rapidamente (depois da Ásia emergente e igual ao Médio Oriente).

Com o rápido crescimento económico surgiram os consumidores mais prósperos - e vice-versa: 45% do crescimento total do PIB de África em 2000 (antes da crise financeira estalar em 2008) resultou dos sectores da economia relacionados com o consumo. Espera-se que, até 2020, mais de metade dos agregados familiares africanos - quase 130 milhões - terá um rendimento discricionário para gastar (ou poupar), contra os actuais 85 milhões.

Além disso, África tem a população que cresce mais rapidamente, a nível mundial, - e a mais jovem, mais de metade da população tem menos de 20 anos de idade, em comparação com os 28% na China. As Nações Unidas estimam que o continente será responsável por mais de 40% do crescimento da população global até 2030, com a expectativa de que a população activa supere a da China até 2040.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/3ieyeSX/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.