yu60_NOEL CELISAFP via Getty Images_cpi china NOEL CELIS/AFP via Getty Images

A China precisa de uma inflação mais alta

BEIJING – Os recentes aumentos de preços nas duas maiores economias do mundo desencorajaram os mercados globais, que se acostumaram à inflação baixa – e até mesmo à deflação – que acontece há décadas. Mas, pelo menos na China, um pouco de inflação não seria uma coisa ruim.

Nos Estados Unidos, os maciços gastos do governo durante a crise do COVID-19 aumentaram os temores de um acerto de contas financeiro e os recentes dados sobre preços estão reforçando essas preocupações. O índice de preços ao consumidor (IPC) subiu 4,2%  ano a ano em abril – o crescimento mais rápido desde 2008. Além disso, o aumento mensal acelerou para 0,8% em abril, de 0,6% em março, embora a taxa tenha recuado para 0,6% em de maio. O índice de preços ao produtor (IPP) também subiu, para 217,5 em abril, contra 185,5 no ano anterior.

Esses dados intensificaram a pressão sobre o Federal Reserve dos EUA para apertar sua política monetária ultra frouxa. Mesmo assim, em abril, o presidente do Fed, Jerome Powell, enfatizou que o banco central ainda está “longe” de retirar o apoio monetário, mesmo que isso signifique permitir que a inflação fique temporariamente acima de 2%. Isso deve acalmar os mercados, embora muitos economistas continuem convencidos de que o Fed está superestimando a própria capacidade de manter a inflação sob controle no longo prazo.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/0ALkO2Zpt