Margaret Scott

Tempestade democrática na Índia

NOVA DELI - Abril pode ser o mês mais cruel, mas, para os principais partidos políticos da Índia, este ano, Março foi bastante brutal. No dia 6 de Março, após uma “Super Terça-feira” ao estilo norte-americano, a Índia anunciou os resultados de cinco eleições das Assembleias do Estado, que confundiram pesquisadores, surpreenderam especialistas e abalaram o aparelho político complacente.

Nada decorreu conforme o guião. Era esperado que o Partido do Congresso chegasse ao poder em Punjab, onde a “anti-incumbência” crónica tem tradicionalmente impedido a reeleição de qualquer governo estadual. Em vez disso, o dirigente Shiromani Akali Dal venceu de forma convincente. Por outro lado, no estado nordestino de Manipur, o Partido do Congresso deveria ceder terreno aos críticos do seu primeiro-ministro de longa data, Okram Ibobi Singh, que, em vez disso, arrancou uma vitória esmagadora.

No paraíso turístico de Goa, o governo do Congresso deveria ser reeleito, mas foi trucidado por um Partido Bharatiya Janata (BJP) ressurgente. Enquanto isso, os dois partidos viram-se lado a lado no estado de Uttarakhand, sem alegarem uma maioria, embora o Partido do Congresso tenha sido fortemente favorecido nas sondagens.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

http://prosyn.org/2VgToOo/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.