Redistribuição ou Inclusão?

RIADE – O aumento das desigualdades ao nível dos rendimentos foi um tema central do Fórum Económico Mundial, que este ano se realizou em Davos. Como é do conhecimento geral, a economia dos EUA registou um crescimento significativo ao longo das últimas três décadas. Contudo, o rendimento mediano das famílias não acompanhou este crescimento. As famílias que representam 1% dos detentores de elevados rendimentos (ou melhor, 0,01%) foram as mais beneficiadas, algo que as sociedades não deverão tolerar por muito tempo.

Muitas pessoas temem que estejamos perante um fenómeno mundial com causas semelhantes em toda a parte, um argumento-chave do célebre livro O Capital no Século XXI de Thomas Piketty. Contudo, esta premissa pode ser perigosamente falaciosa.

É fundamental estabelecer uma distinção entre a desigualdade em termos de produtividade entre as empresas e a repartição desigual dos rendimentos dentro das empresas. A luta tradicional entre trabalho e capital tem sido travada em prol deste último: trabalhadores e proprietários lutam pela sua fatia do bolo. Existe, porém, uma profunda desigualdade no que se refere à produtividade das empresas, o que significa que o volume do bolo é significativamente variável. É nomeadamente o caso dos países em desenvolvimento, onde é comum encontrar diferenças de produtividade decuplicadas a nível regional ou nacional e, muitas vezes, ainda mais acentuadas a nível municipal.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/wrxoCH2/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.