Hillary Clinton Niu Xiaolei/ZumaPress

Três Encontros com Hillary

PARIS – Estamos em Boston, em Julho 2004. O cenário é o de um restaurante na baixa da cidade, para o qual a editora Tina Brown convidou Hillary Clinton e meia dúzia de notáveis, incluindo Caroline Kennedy, o cineasta Michael Moore e o antigo Senador George McGovern. Hillary Clinton surpreende de imediato pela sua aparência jovem, o sorriso alegre e uns olhos azuis que ficam demasiado redondos quando nos olham com curiosidade.

Por vezes a sua expressão é momentaneamente interrompida por um rasgo de dor reprimida, obstinada e não totalmente contida. Cinco anos antes, fora a esposa mais humilhada dos EUA, uma mulher cuja vida privada foi total e implacavelmente sujeita ao escrutínio publico. Por isso, consegue falar de política nacional e internacional até à exaustão. Consegue exaltar as qualidades de John Kerry, que foi recentemente nomeado pelo seu partido numa tentativa de invalidar um segundo mandato a George W.Bush. Consegue ainda entrar em pormenores sobre o seu papel como Senadora de Nova Iorque. Contudo, há uma ideia que não me sai da cabeça e que anoto no diário de viagem que estou a escrever para a revista "The Atlantic".

AA ideia é a seguinte: para vingar o marido e para se vingar dele, para restaurar o bom nome da família e demonstrar como seria um governo Clinton sem mácula, esta mulher será, mais tarde ou mais cedo, candidata à presidência dos Estados Unidos da América. Esta ideia faz lembrar a obra "A Mancha Humana" de Philip Roth, publicada um ano após o Senado ter absolvido o seu marido das acusações de perjúrio e obstrução à justiça, cujo retrato abrasador demonstra a forma como uma reputação pode ser indelevelmente manchada, ainda que injustamente. Hillary lutará para entrar na Sala Oval (o teatro da sua desventura interna, externa e planetária) pelos seus próprios meios. E o resultado mais provável, concluirá o meu artigo, é que ela seja bem-sucedida.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/TukcR4P/pt;
  1. China corruption Isaac Lawrence/Getty Images

    The Next Battle in China’s War on Corruption

    • Chinese President Xi Jinping knows well the threat that corruption poses to the authority of the Communist Party of China and the state it controls. 
    • But moving beyond Xi's anti-corruption purge to build robust and lasting anti-graft institutions will not be easy, owing to enduring opportunities for bureaucratic capture.
  2. Italy unemployed demonstration SalvatoreEsposito/Barcroftimages / Barcroft Media via Getty Images

    Putting Europe’s Long-Term Unemployed Back to Work

    Across the European Union, millions of people who are willing and able to work have been unemployed for a year or longer, at great cost to social cohesion and political stability. If the EU is serious about stopping the rise of populism, it will need to do more to ensure that labor markets are working for everyone.

  3. Latin America market Federico Parra/Getty Images

    A Belt and Road for the Americas?

    In a time of global uncertainty, a vision of “made in the Americas” prosperity provides a unifying agenda for the continent. If implemented, the US could reassert its historical leadership among a group of countries that share its fundamental values, as well as an interest in inclusive economic growth and rising living standards.

  4. Startup office Mladlen Antonov/Getty Images

    How Best to Promote Research and Development

    Clearly, there is something appealing about a start-up-based innovation strategy: it feels democratic, accessible, and so California. But it is definitely not the only way to boost research and development, or even the main way, and it is certainly not the way most major innovations in the US came about during the twentieth century.

  5. Trump Trade speech Bill Pugliano/Getty Images .

    Preparing for the Trump Trade Wars

    In the first 11 months of his presidency, Donald Trump has failed to back up his words – or tweets – with action on a variety of fronts. But the rest of the world's governments, and particularly those in Asia and Europe, would be mistaken to assume that he won't follow through on his promised "America First" trade agenda.