As consequências económicas da resistência aos medicamentos

LONDRES – Quando o Primeiro-Ministro britânico David Cameron me pediu, em Julho, para liderar uma acção com vista a encontrar soluções para o crescente problema global da resistência antimicrobiana, a minha primeira pergunta foi: "O que é isso?" Depressa percebi que, à medida que as bactérias e os parasitas desenvolvem resistência aos medicamentos existentes, como os antibióticos e os medicamentos antimaláricos, o mundo corre o risco de perder a sua batalha contra as doenças infecciosas. Assim, a minha pergunta seguinte foi: "Por que razão eu? Não será necessário um cientista?"

Acontece que o problema do aumento da resistência antimicrobiana tem tanto a ver com a economia como com a ciência ou a medicina. Se nada for feito, causará a morte de milhões de pessoas todos os anos e terá graves consequências económicas para o mundo. Para as economias em desenvolvimento, incluindo a maior parte dos países BRIC (Brasil, Rússia, Índia e China) e MINT (México, Indonésia, Nigéria e Turquia), o risco é particularmente elevado.

Uma investigação levada a cabo recentemente através de um estudo independente de avaliação da resistência antimicrobiana, sob a minha coordenação, delineou o provável impacto do fenómeno na economia mundial. O estudo sugere que, se não formos capazes de enfrentar a resistência antimicrobiana, o problema irá agravar-se.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/FcdpSuu/pt;