A vitória de Pirro de Angela Merkel

BUDAPESTE – Para a Alemanha o drama da crise do euro terminou. O assunto mal foi discutido na recente campanha eleitoral do país. A chanceler Angela Merkel fez o que era necessário para garantir a sobrevivência do euro; e ela fez isso com o menor custo possível para a Alemanha - um feito que lhe valeu o apoio dos alemães pró-europeus, bem como aqueles que confiaram nela para proteger os interesses dos alemães. De forma nada surpreendente, ela conquistou a reeleição inquestionavelmente.

Mas foi uma vitória de Pirro. O status quo da zona euro não é tolerável nem estável. Os economistas convencionais chamar-lhe-iam de equilíbrio inferior; eu chamo-o de pesadelo - que está a infligir uma dor e um sofrimento enormes, que poderiam ser facilmente evitados se os equívocos e os tabus que o sustentam fossem dissipados. O problema é que os países devedores sentem toda a dor, ao passo que os credores impõem os equívocos e os tabus.

Um exemplo são as eurobonds, que Merkel anunciou como sendo tabu. No entanto, elas são a solução óbvia para a origem da crise do euro, ou seja a adesão ao euro expôs as obrigações governamentais dos países-membros ao risco de incumprimento.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/bY8WcPF/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.