A solidariedade imperativa na Europa

LONDRES - Quando Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu, proclamou publicamente que o BCE fará “o que for necessário” para assegurar a estabilidade futura do euro, o efeito dos seus comentários foi imediato e de forma notável. Os custos dos empréstimos caíram drasticamente para os governos de Itália e de Espanha; os mercados de acções recuperaram e o recente declínio do valor externo do euro foi subitamente travado.

Ainda não está claro de que forma é que as consequências da intervenção de Draghi - ou o apoio público que lhe é oferecido pela chanceler alemã Angela Merkel, pelo presidente francês François Hollande e pelo primeiro-ministro italiano Mario Monti - se irão revelar a longo prazo. O que podemos dizer seguramente é que os comentários de Draghi e a reacção que eles suscitaram, demonstram que os problemas fundamentais da zona euro não são essencialmente financeiros ou económicos; são políticos, psicológicos e institucionais.

Os observadores internacionais pegaram na comunicação do compromisso de Draghi de fazer “o que for necessário” para salvar o euro, porque muitos deles chegaram a duvidar do compromisso de outros importantes intervenientes europeus em fazerem o mesmo. (Algumas destas dúvidas são, naturalmente, política ou financeiramente egoístas; um determinado modelo de capitalismo financeiro entende o euro como uma ameaça e os seus apoiantes farão tudo o que puderem para provocarem a sua extinção).

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/GV4avVd/pt;