A solidariedade imperativa na Europa

LONDRES - Quando Mario Draghi, presidente do Banco Central Europeu, proclamou publicamente que o BCE fará “o que for necessário” para assegurar a estabilidade futura do euro, o efeito dos seus comentários foi imediato e de forma notável. Os custos dos empréstimos caíram drasticamente para os governos de Itália e de Espanha; os mercados de acções recuperaram e o recente declínio do valor externo do euro foi subitamente travado.

Ainda não está claro de que forma é que as consequências da intervenção de Draghi - ou o apoio público que lhe é oferecido pela chanceler alemã Angela Merkel, pelo presidente francês François Hollande e pelo primeiro-ministro italiano Mario Monti - se irão revelar a longo prazo. O que podemos dizer seguramente é que os comentários de Draghi e a reacção que eles suscitaram, demonstram que os problemas fundamentais da zona euro não são essencialmente financeiros ou económicos; são políticos, psicológicos e institucionais.

Os observadores internacionais pegaram na comunicação do compromisso de Draghi de fazer “o que for necessário” para salvar o euro, porque muitos deles chegaram a duvidar do compromisso de outros importantes intervenientes europeus em fazerem o mesmo. (Algumas destas dúvidas são, naturalmente, política ou financeiramente egoístas; um determinado modelo de capitalismo financeiro entende o euro como uma ameaça e os seus apoiantes farão tudo o que puderem para provocarem a sua extinção).

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

http://prosyn.org/GV4avVd/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.