A independência energética num mundo interdependente

CAMBRIDGE - Quando o presidente Richard Nixon proclamou, no início da década de 1970, que queria garantir a independência energética nacional, os Estados Unidos importaram um quarto do seu petróleo. No final da década, depois de um embargo do petróleo árabe e da revolução iraniana, a produção nacional estava em declínio, os norte-americanos estavam a importar metade das suas necessidades petrolíferas, com um custo de 15 vezes mais, e acreditava-se que o país estava a esgotar o gás natural.

Os choques de energia contribuíram para uma combinação letal, o crescimento económico estagnado com a inflação, e todos os presidentes dos EUA, desde Nixon, proclamaram a independência energética como uma meta a atingir. Mas poucas pessoas levaram a sério as promessas.

Hoje, os peritos em energia já não fazem troça da situação. No final desta década, segundo a Administração de Informação de Energia dos EUA, quase metade do crude que os EUA consomem será produzido internamente, enquanto 82% virá do seu lado do Atlântico. Philip Verleger, um respeitado analista de energia, argumenta que, em 2023, no 50 º aniversário do “Projecto Independência” de Nixon, os EUA terão independência energética, no sentido de que irão exportar mais energia do que importar.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/glVsj6t/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.