Os Assassinos Inocentes do Egipto

CAIRO – “Bashar deveria abandonar o poder e refugiar-se em segurança no Egipto. O procurador-geral gosta de assassinos,” disse-me um amigo, referindo-se ao Presidente Sírio Bashar al-Assad, enquanto assistíamos ao julgamento do antigo Presidente Egípcio Hosni Mubarak no tribunal penal da Academia de Polícia. Embora Mubarak e o seu ministro do interior (da segurança), Habib al-Adly, tenham sido julgados e condenados a prisão perpétua, os generais que geriam o aparelho de repressão do Egipto como ministros-adjuntos do interior foram absolvidos.

Hasan Abd al-Rahman, chefe do notório e tributário da Stasi Serviço de Investigação de Segurança do Estado (SISE); Ahmad Ramzi, chefe das Forças da Segurança Central (FSC); Adly Fayyid, o chefe da Segurança Pública; Ismail al-Shaer, que liderou a Direcção de Segurança do Cairo (DSC); Osama Youssef, o chefe da Direcção de Segurança de Gizé; e Omar Faramawy, que supervisionou a Direcção de Segurança 6 de Outubro, foram ilibados de quaisquer irregularidades. Os advogados de Mubarak e al-Adly recorrerão das suas sentenças perpétuas, e muitos Egípcios acreditam que receberão penas mais leves.

Os veredictos enviaram uma mensagem inequívoca, com sérias consequências para a transição política do Egipto. Ouviu-se um grito espontâneo dos advogados e das famílias das vítimas quando foram anunciados: “O povo quer limpar o poder judiciário.”

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/XV9aCXJ/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.