Recession Economic Growth Inequality Peter Werkman/Flickr

Fanáticos, charlatães e economistas

DAVOS – Em todo o mundo, ao que parece, a crise está a controlar a política nacional. Eleições após eleições, a afluência às urnas tem atingido mínimos históricos. Os políticos são universalmente injuriados. Os principais partidos, desesperados para permanecerem relevantes, ficam presos a um vício, forçados a escolher entre serem coniventes com o extremismo e o risco de serem esmagados por movimentos populistas, contestatários.

Entretanto, nunca desde o fim da Segunda Guerra Mundial o dinheiro desempenhou um papel tão importante na política, superando o poder das ideias. Nos Estados Unidos, por exemplo, o som de milhares de milhões de dólares que fluem para os cofres das campanhas eleitorais está a abafar as vozes dos eleitores individuais. Nas partes do mundo onde o Estado de direito é fraco, as redes criminosas e a corrupção substituem os processos democráticos. Em suma, a busca do bem colectivo parece tristemente peculiar.

O problema começou no final da Guerra Fria, quando o desmoronamento de uma ideologia comunista falida foi interpretado com satisfação como o triunfo do mercado. Visto que o comunismo foi descartado, também o foi o conceito de Estado como um agente em torno do qual as nossas ambições e interesses colectivos poderiam ser organizados.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/AL3Zafa/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.