Europa: O Desafio da Crise

BERLIM - Há cerca de 2.500 anos, o filósofo grego Heraclito concluiu que a guerra é o pai de todas as coisas. Poderia ter acrescentado que a crise é a mãe.

Felizmente, a guerra entre potências mundiais deixou de ser uma opção realista, devido à ameaça de destruição nuclear mútua. Mas as grandes crises internacionais, como a actual crise financeira mundial, permanecem - o que poderá não ser totalmente negativo.

Tal como na guerra, as crises alteram fundamentalmente o status quo, o que significa que criam uma oportunidade - sem a força destrutiva da guerra - de mudança que, em tempos normais, é quase impossível. Para se superar uma crise é necessário fazer coisas que anteriormente eram dificilmente concebíveis, para não dizer inviáveis.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/iXA3L0g/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.