Os problemas da África emergente

NOVA IORQUE – A África está a mudar radicalmente - tal como estão a mudar as atitudes de terceiros em relação a esta região; veja-se os EUA que parecem finalmente determinados a juntar-se à China, à Europa e à Índia no que diz respeito ao interesse pelo continente. A cimeira realizada recentemente entre o Presidente dos EUA, Barack Obama, 40 chefes de Estado africanos e mais de 200 líderes empresariais norte-americanos e africanos sugere uma atitude nova e mais confiante, o que é encorajador. No entanto, enquanto houver regiões da África subsariana onde persistem as situações de conflitos violentos, pobreza e corrupção, o potencial económico do continente não será plenamente realizado.

O crescimento económico e as oportunidades comerciais de África são factores empolgantes e aliciantes. A forte classe média da região, que compreende 300 milhões de pessoas, regista um crescimento anual superior a 5%. O continente tem uma posição de liderança em matéria de serviços bancários móveis. As despesas de consumo per capita estão próximas dos níveis registados na Índia e na China. Se o investimento estrangeiro, em parceria com o forte sector privado do continente, puder beneficiar os sectores-chave, em particular os sectores da educação, da saúde e das infra-estruturas, a África poderá conseguir o amplo impulso de desenvolvimento de que o seu povo necessita.

No entanto, o investimento e o crescimento – a "África em ascensão" - são apenas parte da história. Há também a África em luta, que se debate com conflitos e crises que afectam grande parte do continente, especialmente as dezenas de milhões de pessoas que vivem na faixa de países que vão desde o Mali até à Somália. Ainda antes do recente surto do vírus Ébola ocorrido na Libéria e na Serra Leoa, o Sul do Sudão, a República Centro-Africana (RCA) e o Mali estavam em risco de integrar uma longa lista de Estados frágeis ou em colapso que já inclui a Somália e a República Democrática do Congo. Os conflitos étnicos, religiosos, económicos e de outra natureza que se desenrolam nestes países ensombram com demasiada frequência os objectivos de uma governação eficaz e da prestação dos serviços mais básicos.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/4YzyA5j/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.