O pseudo-julgamento do século na China

LONDRES - O julgamento, a condenação e a sentença de morte suspensa de Gu Kailai, a esposa do expurgado líder chinês Bo Xilai, tem posto em causa não só o sistema jurídico da China, mas a própria união na liderança do Partido Comunista.

Comecemos com as muitas questões levantadasdurante o julgamento. Para começar, Gu alegou que matou o empresário britânico Neil Heywood apenas para proteger seu filho. Mas, dado o poder de Gu, como esposa de Bo, ela poderia ter prendido ou expulsado da China alguém como Heywood, com um simples estalar de dedos. Sem necessidade do cianeto.

Ainda assim, ela não só admitiu a sua culpa, mas pareceu encará-la como uma espécie de necessidade histórica. “A fim de defender a inviolabilidade da lei”, disse ao tribunal, “estou disposta a aceitar com calma e enfrentar qualquer julgamento que me seja atribuído; e eu também espero um julgamento justo e imparcial”. Desde o pseudo-julgamento de Estaline, na década de 1930, que um réu não elogiava tão efusivamente um juiz que parecia obrigado a condená-la num julgamento onde nenhuma testemunha ou prova contra ela fora apresentada.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/UeY7vdK/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.