Paul Lachine

Uma União Sem Euro?

BERKELEY – A crise da Europa entrou numa fase de abrandamento, o que não é por acaso. O actual período de relativa acalmia coincide com a aproximação das eleições federais da Alemanha, em 2013, às quais a chanceler em exercício, Angela Merkel, se vai candidatar como a mulher que salvou o euro.

Mas a crise voltará, se não for antes das eleições da Alemanha, será depois. A Europa do Sul não fez o suficiente para aumentar a sua competitividade, enquanto a Europa do Norte não fez o suficiente para aumentar a procura. O peso da dívida mantêm-se avassalador e a economia europeia continua incapaz de crescer. Em todo o continente, as divisões políticas estão a agravar-se. Por todas estas razões, o fantasma de um colapso da zona euro ainda não foi descartado.

As consequências de um colapso não seriam agradáveis. Qualquer que fosse o país que precipitasse tal situação – a Alemanha por ameaçar abandonar o euro ou a Grécia ou a Espanha por efectivamente fazê-lo – iria despoletar o caos económico e incorrer na ira dos seus vizinhos. Para se protegerem das consequências financeiras, os governos iriam invocar cláusulas obscuras dos tratados da EU, de forma a implantarem controlos temporários sobre os fluxos de capital e delimitarem os seus sistemas bancários. Iriam fechar as fronteiras para impedir a fuga de capitais. Seria uma situação de cada país por si.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/aIuze5e/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.