Skip to main content

Big Ben Bloomberg/Getty Images

O alerta do Brexit

BERKELEY – Não sou especialista na questão de se a Grã-Bretanha deveria sair (ou “Brexit”*) da União Europeia. É verdade que vivi no Reino Unido até há menos de um ano. E aqui, na Califórnia, temos o nosso próprio debate similar ao Brexit, com um movimento que apresentará uma proposta para secessão dos Estados Unidos na votação de Novembro. Mas embora a ideia da independência da Califórnia possa parecer cómica, o referendo para o Brexit a 23 de Junho não é caso para rir.

De forma mais óbvia, o Brexitprejudicaria a competitividade das exportações Britânicas. Na verdade, os laços com a UE não seriam imediatamente cortados, e o governo do Reino Unido teria alguns anos para negociar um acordo comercial com o Mercado Único Europeu, que é o destino de perto de metade das exportações Britânicas. As autoridades competentes poderiam conseguir um acordo bilateral como o da Suíça, que garante o acesso ao Mercado Único para indústrias e sectores específicos. Ou poderiam seguir o exemplo da Noruega, e aceder ao Mercado Único através da adesão à Associação Europeia de Comércio Livre (NdT: EFTA-European Free Trade Association).

Mas a Grã-Bretanha precisa mais do mercado da UE, do que a UE precisa do mercado da Grã-Bretanha, e portanto a negociação seria assimétrica. E sem dúvida que os responsáveis da UE seriam negociadores duros, de modo a dissuadir outros países de considerarem as suas próprias saídas. O Reino Unido teria de aceitar as normas para produtos e os regulamentos da UE, na sua totalidade e sem intervir na sua elaboração, e encontrar-se-ia numa posição muito mais fraca quando quisesse negociar acordos de acesso a mercados com parceiros externos à UE, como a China.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

https://prosyn.org/yMCmnph/pt;
  1. haass105_Gustavo BassoNurPhoto via Getty Images_amazon Gustavo Basso/NurPhoto via Getty Images

    The Amazon and You

    Richard N. Haass

    Sovereignty entails obligations as well as rights, and where compliance cannot be induced, pressure must be applied. And though positive incentives to encourage and enable compliance would be preferable, Brazil's government is showing that there must be sticks where carrots are not enough.

    1
  2. GettyImages-1151170958 ADRIAN DENNIS/AFP/Getty Images

    The Meritocracy Muddle

    Eric Posner

    Although populism in Western democracies is nothing new, resentment toward elites and experts has certainly been on the rise. Does this trend reflect a breakdown in the system, or a system that is actually working too well?

    7

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated Cookie policy, Privacy policy and Terms & Conditions