O Desporto Sangrento da Política

PRINCETON - O antigo presidente dos EUA, Bill Clinton proferiu um dos melhores discursos da sua vida na Convenção Nacional Democrática que teve lugar recentemente. Uma das maiores salvas de palmas surgiu quando Clinton afirmou que o facto de Barack Obama ter nomeado Hillary Clinton como Secretária de Estado, depois de esta ter sido a sua principal rival política provou que "a democracia não tem que ser um desporto sangrento".

Aqueles aplausos reflectem a opinião da maioria dos eleitores americanos de que a política dos EUA se tornou bastante partidária e que os rivais estão mais interessados ​​em atacar-se entre si - "espremendo sangue" - do que em concentrarem-se em questões políticas. Mas o que o presidente Clinton estava realmente a dizer era que o facto de Hillary Clinton se deslocar a outros países e trabalhar com o seu ex-rival político na prossecução do interesse nacional é um poderoso exemplo da forma como é suposto a democracia funcionar.

É importante fazer esta referência, porque em demasiados países a democracia continua a ser - literalmente - um desporto sangrento. Os votos servem para chegar ao poder e depois perseguir, deter ou até mesmo matar os adversários. Como diz o lema: ". Um homem, um voto, uma vez" Na verdade, a Fundação Nacional para a Democracia nos EUA caracteriza alguns países como "ditaduras eleitorais".

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/SCkfDCN/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.