Bancar nos BRICS

BERKELEY – Para os líderes dos BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), o anúncio em Julho do seu acordo para o estabelecimento de um “Novo Banco para o Desenvolvimento” (NBD) e de um “Acordo sobre Reserva de Contingência” (ARC) foi um golpe de relações públicas. A oportunidade para uma foto triunfal de grupo foi especialmente bem-vinda para a Presidente Brasileira Dilma Rousseff, à luz da derrota ignominiosa no Campeonato Mundial e da economia em abrandamento do seu país, e para o Presidente da Rússia, Vladimir Putin, dada a reacção internacional contra o apoio prestado pelo seu governo aos rebeldes da Ucrânia.

O acordo foi também uma oportunidade para os cinco países reiterarem a sua insatisfação com o Banco Mundial, o Fundo Monetário Internacional, e o papel do dólar no sistema monetário global. Os BRICS possuem apenas 11% dos votos no FMI, apesar de serem responsáveis por mais de 20% da actividade económica global. O Congresso dos EUA recusa ratificar o acordo alcançado em 2010 para corrigir este distorcido estado de coisas. E os Estados Unidos não mostraram qualquer vontade em renunciar ao seu privilégio anacrónico de nomear o presidente do Banco Mundial.

Entretanto, a parte do dólar nas reservas globais de moeda estrangeira permanece acima dos 60%, enquanto 85% das transacções globais em moeda estrangeira envolvem dólares. Dada a relutância dos países sub-representados em inscreverem-se nas linhas de crédito preventivas do FMI, os bancos centrais desesperados por dólares apenas podem obtê-los junto da Reserva Federal. O Fed foi razoavelmente previdente ao permitir trocas de dólares na última crise em 2008; mas não existem garantias de que se comportará do mesmo modo no futuro.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/dvlQVMf/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.