“Jimmy Carter” Obama

PARIS – “Quantas divisões tem o Papa?” José Estaline celebrizou uma frase quando disse, num tom sarcástico, estar atento ao Vaticano. Numa lição actualizada em realpolitik, o Presidente russo, Vladimir Putin, mostrou-se recentemente feliz por considerar o Papa Francisco como um aliado na oposição à intervenção militar americana na Síria. Apresentando-se como o último pilar do respeito pelo direito internacional, Putin ofereceu lições de ética aos Estados Unidos - e, especificamente, ao Presidente Barack Obama.

Com o acordo entre os EUA e a Rússia, assinado em Genebra no dia 14 de Setembro, para colocar as armas químicas da Síria sob controlo internacional, a Rússia regressou ao panorama mundial - e não só por causa da sua capacidade de incomodar. Poderá Putin receber um dia, como Obama recebeu antes dele, o Prémio Nobel da Paz? O ministro dos Negócios Estrangeiros, Sergei Lavrov, que propôs o negócio, já não entrou para o panteão dos grandes diplomatas russos, como sucessor de Karl Nesselrode, o enviado russo para o Congresso de Viena, em 1814-1815, e para o Congresso de Paris, em 1856?

Naturalmente, a diplomacia russa tem tido um excelente desempenho nos últimos tempos, mas o mérito não se deve só a ela. Os diplomatas da Rússia teriam conseguido pouco, sem o mal-estar que se vive na política externa da América - uma vítima da hesitação de Obama e da hostilidade dos americanos para qualquer nova aventura militar, limitando, no entanto, o seu alcance - e as profundas divisões internas na Europa.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/kcsAPWa/pt;