As Multinacionais dos EUA Estão a Abandonar a América?

BERKELEY – Numa recente conferência em Washington, DC, o antigo Secretário do Tesouro Larry Summers referiu que os legisladores dos EUA se deviam concentrar nas actividades produtivas que acontecem nos Estados Unidos e que empregam trabalhadores Americanos, e não em corporações que estão legalmente registadas nos EUA mas deslocam a sua produção para outros sítios. Citou estudos do antigo Secretário do Trabalho Robert Reich, que, há mais de 20 anos, avisou que enquanto as companhias multinacionais dos EUA transferissem o emprego e a produção para o exterior, os seus interesses divergiriam dos interesses económicos do país.

É fácil de concordar com Summers e Reich que a política económica nacional se devia concentrar na competitividade dos EUA, e não no bem-estar de determinadas companhias. Mas a forte distinção que fazem entre os interesses económicos do país e os interesses das companhias multinacionais dos EUA é ilusória.

Em 2009, o último ano para o qual estão disponíveis dados exaustivos, existiam apenas 2.226 multinacionais de entre aproximadamente 30 milhões de empresas a operar nos EUA. As multinacionais da América tendem a ser grandes, intensivas em capital, intensivas em pesquisa, e intensivas em comércio, e são responsáveis por uma parte substancial e desproporcional da actividade económica dos EUA.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/2P6y6DZ/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.