A jogada arriscada birmanesa de Obama

ARLINGTON – A aproximação entre os Estados Unidos e Mianmar (Birmânia) avançou a um ritmo alucinante. Há um ano, os dois países nem sequer tinham embaixadores nas respectivas capitais. Em Maio, o Presidente Thein Sein tornou-se no primeiro líder de Mianmar a visitar a Casa Branca em quase meio século.

Mas será que a administração de Barack Obama foi demasiado rápida a abraçar o que era, até recentemente, um dos regimes mais repressivos do mundo? Ou, pelo contrário, será que o apoio decidido dos EUA é essencial para o inexperiente processo de reforma de Mianmar?

Até à recente abertura, Mianmar, que ganhou a independência em 1948, era governado por uma junta militar secreta desde 1962. Ainda há bem pouco tempo, em 2010, o regime realizou eleições tão descaradamente manipuladas que o principal partido da oposição recusou-se a participar. Mas em 2011, pouco antes de assumir a presidência, Sein, um general que serviu como primeiro-ministro sob o governo da junta, começou a tomar medidas que impressionaram até mesmo os observadores mais cépticos. Ao contrário dos gestos simbólicos de reforma oferecidos pelos governantes anteriores, as acções de Sein pareciam substanciais e significativas.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/8fiCFOh/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.