A política externa insuficiente de Obama

PARIS – Avaliar o desempenho da política externa de um presidente norte-americano, após um mandato, é um desafio, tendo em conta o complexo ambiente diplomático e estratégico e as significativas restrições internas que cada presidente dos Estados Unidos enfrenta. No entanto, antecipando as eleições presidenciais de Novembro, é importante distinguir as forças que moldaram a política externa de Barack Obama e avaliar a forma como lidou com elas.

Obama manteve a sua promessa de retirar as forças norte-americanas do Iraque durante o seu primeiro mandato. Mas o movimento provou ser uma derrota estratégica, dado ter diminuído significativamente a influência política dos Estados Unidos no Iraque. Na verdade, o governo do primeiro-ministro Nuri al-Maliki está a tornar-se cada vez mais um aliado do Irão. Obama, que se opôs à guerra do Iraque, não deve ser responsabilizado pelas actuais circunstâncias que lá ocorrem. Mas ele foi incapaz de melhorar a situação ou ajudar os xiitas e os sunitas do Iraque a chegarem a um compromisso político.

Em contrapartida, Obama expandiu a guerra no Afeganistão – a qual ele considerava ser uma guerra necessária – e colocou os talibãs na defensiva. Mas os EUA irão começar a retirar tropas depois de 2014, sem terem definido uma solução política que esteja em sintonia com os seus interesses.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/G250u9h/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.