Moment of silence in France after Paris attacks. Tolga Akmen/London News Pictures via ZUMA Wire

Depois de Paris

NOVA IORQUE – Os ataques em Paris feitos por indivíduos associados ao Estado Islâmico, no seguimento dos atentados à bomba em Beirute, e do abate de um avião Russo sobre a Península do Sinai, reforçam a realidade de que a ameaça terrorista entrou numa fase nova e ainda mais perigosa. Apenas podemos conjecturar a razão pela qual o Estado Islâmico decidiu encenar agora os seus ataques; pode ser que esteja a tentar globalizar-se para compensar a sua recente perda de território no Iraque. Mas seja qual for o fundamento, o certo é que se justifica uma resposta clara.

Na verdade, o desafio colocado pelo Estado Islâmico requer várias respostas, já que nenhuma política única parece ser suficiente. São necessários vários esforços em vários domínios.

Um dos domínios é o militar. É crítico que ocorram ataques aéreos mais intensos contra os activos militares, instalações petrolíferas e de gás, e líderes do Estado Islâmico. Mas nenhuma quantidade de poder aéreo, por si só, conseguirá concluir o trabalho. É necessária uma substancial componente terrestre para tomar território e mantê-lo.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles from our archive every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/7yhwSLZ/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.