Uma Rotação para o Povo

PRINCETON – No dia 1 de Fevereiro, o Conselho de Segurança das Nações Unidas reuniu para considerar a proposta da Liga Árabe para terminar a violência na Síria. A Secretária de Estado Hillary Clinton representou os Estados Unidos. A meio caminho dos seus comentários, começou a falar não para o embaixador Sírio, que estava na sala, nem mesmo para o governo Sírio, mas directamente para o povo Sírio. Disse que a mudança na Síria requereria que os Sírios de todas as crenças e etnias trabalhassem juntos, protegendo e respeitando os direitos das minorias.

Dirigindo-se a essas minorias, continuou: “Ouvimos os vossos receios, e honramos as vossas aspirações. Não deixem o regime actual explorá-los para prolongar esta crise.” Disse aos líderes Sírios de negócios, militares, e de outros campos que devem reconhecer que os seus futuros permanecem com o estado, e não com o regime. “A Síria pertence aos seus 23 milhões de cidadãos, não a um homem ou à sua família.”

Falar directamente aos cidadãos – distinguindo o povo de um país, assim como o seu governo – não é apenas um instrumento retórico. Enquanto muitos especialistas da política externa se têm centrado na “rotação para a Ásia” dos EUA, Clinton também executou uma menos publicitada, mas não menos importante, rotação para o povo. Introduziu políticas, programas e reformas institucionais desenhadas para apoiar a diplomacia governo-sociedade e sociedade-sociedade, ao lado das tradicionais relações governo-governo. Estas iniciativas não obtêm cabeçalhos nos jornais, mas irão transformar gradualmente muita da política externa Americana.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/sdSUF4f/pt;