US Army personnel alone in Iraq desert US Army personnel Iraq desert/Pixabay

The Year Ahead 2016

Unificar a luta contra o Estado Islâmico

BERLIM – Os ataques terroristas de 13 de Novembro em Paris, que atingiram o coração de França e da Europa como um todo, colocaram a ameaça terrorista que o Estado Islâmico (ISIS) representa no topo da agenda da política externa. Na minha opinião, a resposta a estes ataques não pode ser trancar as portas e colocar taipas nas janelas. Renunciar ao nosso estilo de vida e às nossas sociedades abertas seria ceder às pretensões dos terroristas.

A nossa resposta tem de ser, antes de tudo, política: reforçar a vigilância nos nossos países e uma cooperação mais intensa com as autoridades de segurança dos nossos aliados. O Ocidente deve mostrar determinação na luta contra a exclusão social que alimenta o sentimento de alienação, o que implica intensificar os nossos esforços para integrar os muçulmanos e outros imigrantes a todos os níveis. Ao mesmo tempo, é necessário atacar o mal do ISIS nos locais onde teve início: Iraque e Síria.

Na noite dos ataques de Paris, a Alemanha prometeu a França que permaneceria a seu lado. Decidimos recentemente que a nossa responsabilidade de cumprir esta promessa inclui uma contribuição militar para a luta contra o ISIS.

To continue reading, please subscribe to On Point.

To access On Point, log in or register now now and read two On Point articles for free. For unlimited access to the unrivaled analysis of On Point, subscribe now.

required

Log in

http://prosyn.org/b5t4PlS/pt;
  1. Donald Trump delivers his address to a joint session of Congress  Bill Clark/CQ Roll Call/Getty Images

    Trump’s Abominable Snow Job

    • In the 2016 US presidential election, Donald Trump presented himself as a populist who would protect America’s “forgotten” workers from the disruptions of trade and immigration and the nefarious designs of unnamed elites.

    • But, a year after assuming office, it has become abundantly clear that “America first” means workers come last.
  2. Project Syndicate

    PS Commentators’ Best Reads in 2017

    • For the first time, Project Syndicate has asked its contributors what they’ve been reading, and why. 

    • Their choices may surprise, but surely will not disappoint, readers seeking the most important books on history, politics, economics, as well as more than one novel.