US Army personnel alone in Iraq desert US Army personnel Iraq desert/Pixabay

The Year Ahead 2016

Unificar a luta contra o Estado Islâmico

BERLIM – Os ataques terroristas de 13 de Novembro em Paris, que atingiram o coração de França e da Europa como um todo, colocaram a ameaça terrorista que o Estado Islâmico (ISIS) representa no topo da agenda da política externa. Na minha opinião, a resposta a estes ataques não pode ser trancar as portas e colocar taipas nas janelas. Renunciar ao nosso estilo de vida e às nossas sociedades abertas seria ceder às pretensões dos terroristas.

A nossa resposta tem de ser, antes de tudo, política: reforçar a vigilância nos nossos países e uma cooperação mais intensa com as autoridades de segurança dos nossos aliados. O Ocidente deve mostrar determinação na luta contra a exclusão social que alimenta o sentimento de alienação, o que implica intensificar os nossos esforços para integrar os muçulmanos e outros imigrantes a todos os níveis. Ao mesmo tempo, é necessário atacar o mal do ISIS nos locais onde teve início: Iraque e Síria.

Na noite dos ataques de Paris, a Alemanha prometeu a França que permaneceria a seu lado. Decidimos recentemente que a nossa responsabilidade de cumprir esta promessa inclui uma contribuição militar para a luta contra o ISIS.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/b5t4PlS/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.