President of the Asian Investment Infrastructure Bank Li Xin/Xinhua via ZUMA Wire

The Year Ahead 2016

O BAII está pronto para iniciar actividade

PEQUIM – O lançamento histórico do Banco Asiático de Investimento em Infra-estruturas (BAII) nas próximas semanas foi largamente antecipado, e com razão. Quando iniciar actividade, o BAII juntar-se-á à família das instituições financeiras multilaterais no apoio ao desenvolvimento económico e social de ampla base na Ásia. O investimento em infra-estruturas sólidas e sustentáveis contribuirá para gerar melhores resultados em termos de desenvolvimento, melhorar as condições de vida dos cidadãos da Ásia e gerar efeitos positivos indirectos em outras partes do mundo.

Ao longo do último ano, nas reuniões em que participei com pessoas de todo o mundo e de diferentes estratos sociais, pediram-me muitas vezes que explicasse por que razão é necessário outro banco multilateral de desenvolvimento, e em que medida o BAII será diferente de, por exemplo, o Banco Mundial ou o Banco Asiático de Desenvolvimento.

As respostas são claras. O papel e a importância da Ásia no plano internacional têm aumentado, mas a região enfrenta graves lacunas a nível de infra-estruturas e estrangulamentos complicados. As necessidades da Ásia a nível de investimento em infra-estruturas cresceram exponencialmente, pelo que os recursos do BAII aumentarão o volume de recursos multilaterais disponíveis para ajudar a dar-lhes resposta.

To continue reading, please subscribe to On Point.

To access On Point or our archived content, log in or register now now and read two On Point articles for free and 2 archived contents. For unlimited access to the unrivaled analysis of On Point and archived contents, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/FXcneae/pt;
  1. Taming the Tech Monster

    The promise that digital technologies would “democratize” information and bypass traditional power structures has been devoured by a new generation of corporate monopolists. Putting the Internet back in the hands of citizens will require nothing less than a new vision of the digital age.

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.