patten132 Getty Images

A China pós-pico

LONDRES – Os ditadores não gostam que o seu desempenho seja avaliado por outras pessoas. Qualquer tipo de avaliação dos êxitos ou fracassos destes líderes, mesmo provinda dos seus colegas e conselheiros mais próximos, é um grande passo no sentido do seu enfraquecimento. Permitir as críticas, e muito menos encorajá-las, está fora de questão.

O presidente chinês Xi Jinping, o líder mais poderoso do Partido Comunista Chinês desde Mao Tsé Tung, terá uma opinião especialmente marcada sobre esta situação. Em 2022, Xi procurará o apoio do 20º Congresso do PCC para o seu plano de permanecer no poder durante um terceiro mandato, abolindo assim o limite de dois mandatos instituído por Deng Xiaoping, e respeitado desde então.

Em parte, este mecanismo prefigurava uma tentativa de impedir qualquer regresso a uma ditadura como a de Mao, e foi bem-sucedido na colectivização da liderança do PCC. Mas só precisamos de olhar para o culto de personalidade criado por Xi, e de penetrar no significado do “pensamento de Xi Jinping”, recentemente incorporado na constituição do Partido, para compreendermos as intenções actuais do presidente chinês.

To continue reading, register now.

Subscribe now for unlimited access to everything PS has to offer.

Subscribe

As a registered user, you can enjoy more PS content every month – for free.

Register

https://prosyn.org/wzjJW10pt