Skip to main content

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated Cookie policy, Privacy policy and Terms & Conditions

lwanda2_matejmo_africaglobefloatingnumbers matejmo/Getty Images

O Zimbabué precisa de uma criptomoeda própria

ADIS ABEBA – Quando o presidente do Zimbabué Robert Mugabe foi deposto em Novembro de 2017, após 30 anos no poder, muitos esperaram que o declínio económico por ele supervisionado seria revertido em breve. Mas, um ano e meio depois, a  economia não mostra sinais de recuperação, devido a uma crise cambial permanente. Poderia uma criptomoeda baseada no princípio da blockchain ser a cura para os males do Zimbabué?

Há pouco mais de uma década, o Zimbabué foi assolado por uma hiperinflação tão acentuada – que teve o seu máximo em 89,7 milhares de triliões por cento em Novembro de 2008 – que simplesmente abandonou a sua moeda, adoptando em seu lugar um cabaz de divisas internacionais, liderado pelo dólar dos EUA. Mas os preços foram inflacionados pela escassez aguda de dólares, motivando a introdução pelo governo, em 2016, das suas próprias notas e moedas, que valeriam supostamente o mesmo que os dólares dos EUA.

Devido à falta de confiança, porém, a nova divisa foi trocada no mercado negro a um valor significativamente mais baixo. Como os dólares continuavam a sair do país mais rapidamente do que entravam, o governo fundiu recentemente a sua moeda e todo o dinheiro electrónico numa outra nova unidade: o dólar de Liquidações Brutas em Tempo Real (LBTR).

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

https://prosyn.org/8IvtVCrpt;
  1. solana114_FADEL SENNAAFP via Getty Images_libyaprotestflag Fadel Senna/AFP via Getty Images

    Relieving Libya’s Agony

    Javier Solana

    The credibility of all external actors in the Libyan conflict is now at stake. The main domestic players will lower their maximalist pretensions only when their foreign supporters do the same, ending hypocrisy once and for all and making a sincere effort to find room for consensus.

    4

Edit Newsletter Preferences