zika NurPhoto/Getty Images

As injustiças do Zika

SOUTHAMPTON – Os surtos de doenças transmissíveis no mundo em desenvolvimento já são suficientemente graves na perspectiva sanitária. Mas também têm consequências graves sobre a justiça social, porque agravam crises antigas de direitos humanos, nomeadamente por enfraquecerem a já deficiente provisão de serviços públicos e por aprofundarem as desigualdades existentes.

Tal como o surto de Ébola na África Ocidental em 2014, o surto de Zika na América Central e do Sul em 2015 atingiu, de forma mais dura, grupos sociais vulneráveis: mulheres e crianças, minorias étnicas, e os pobres. Tal como a febre-amarela, o dengue, e outras doenças, o Zika é transmitido pelos mosquitos Aedes aegypti. Mas, invulgarmente para um vírus transmitido por mosquitos, o Zika também pode ser transmissível por via sexual. Ainda mais invulgarmente, está associado a patologias neurológicas e do desenvolvimento que afectam os recém-nascidos: microcefalia e síndrome de Guillain-Barré. Fora isso, os seus sintomas são frequentemente ligeiros.

Isto significa que, dos mais de 1,5 milhões de pessoas afectadas pelo Zika desde o início do surto, as consequências foram mais preocupantes para as mulheres em idade fértil, particularmente para as que já estavam grávidas. Entre 2016 e 2017, foi confirmado um total de 11 059 casos de Zika em mulheres grávidas, que produziram 10 867 casos de microcefalia e de outras malformações congénitas dos sistemas nervosos centrais dos seus filhos. Cinquenta e seis por cento destes bebés nasceram de mulheres pobres e de mulheres de cor no nordeste do Brasil.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/fMH6AOK/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.