Paul Lachine

A década perdida do Médio Oriente

BERLIM – Os Estados Unidos travaram três guerras desde os ataques terroristas da Al-Qaeda no dia 11 de Setembro de 2001: contra a Al-Qaeda, no Afeganistão e no Iraque. As duas primeiras foram impostas aos EUA, mas a terceira foi o resultado de uma decisão voluntária e deliberada tomada pelo ex-Presidente George W. Bush, por razões ideológicas e, muito provavelmente, por razões pessoais também.

Se Bush, o ex-vice-presidente Dick Cheney, o ex-secretário de Defesa, Donald Rumsfeld e os seus aliados neoconservadores tivessem sido francos em relação às suas intenções - para derrubarem o Saddam Hussein por meio da guerra, criando assim um novo e pró-ocidental Médio Oriente - eles nunca teriam recebido o apoio do Congresso e do público norte-americano. A sua visão foi ingénua e imprudente.

Por isso, uma ameaça - as armas iraquianas de destruição em massa - teve de ser criada. Como sabemos agora, a ameaça foi baseada em mentiras (tubos de alumínio para um programa de armas nucleares, por exemplo, reuniões entre o líder da conspiração do 9 de Setembro, Mohamed Atta, e as autoridades iraquianas em Praga, e até mesmo falsificações evidentes como supostos pedidos, por parte do Iraque, de urânio yellowcake da Nigéria).

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/6bWNrxi/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.