Chamem os Palhaços

NOVA IORQUE – Quando demasiados Italianos votaram no mês passado para escolher entre um duvidoso e desacreditado magnata empresarial e um comediante, as bolsas de valores Europeias caíram abruptamente. Sem confiança pública na classe política, a Itália pode tornar-se ingovernável.

Mas os Italianos não estão sozinhos. A raiva contra o sistema político tornou-se um fenómeno global. Escritores de blogues Chineses, activistas Americanos do Tea Party, Euro-fóbicos Britânicos, Islamitas Egípcios, populistas Holandeses, Gregos da extrema-direita, e os “camisas vermelhas” Tailandeses têm todos algo em comum: o ódio ao status quo e o desprezo pelas elites dos seus países. Vivemos numa era de populismo. A autoridade dos políticos convencionais e dos meios de comunicação tradicionais está a desvanecer-se rapidamente.

O populismo pode ser um correctivo necessário quando os partidos políticos se tornam esclerosados, os meios de comunicação se tornam demasiado complacentes (ou demasiado próximos do poder), e as burocracias não dão resposta às necessidades do povo. Num mundo globalizado gerido por banqueiros e tecnocratas, muitas pessoas sentem que não participam nas questões públicas; sentem-se abandonadas.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/83PW55M/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.