Skip to main content

GettyImages5207099731 Getty Images

O porquê de o rendimento básico universal ser uma má ideia

BOSTON – Devido à inadequação da rede de segurança social nos Estados Unidos e noutros países desenvolvidos, as propostas para um rendimento básico universal (RBU) estão a ganhar popularidade. O fosso entre os ricos e todos os outros aumentou significativamente nos últimos anos e muitos temem que a automatização e a globalização o aumentem ainda mais.

Não há dúvida de que se a única escolha for entre o empobrecimento em massa e um RBU, um RBU é preferível. Um programa desse género permitiria que as pessoas gastassem o seu dinheiro naquilo que mais valorizassem. Isso criaria um sentido mais amplo de propriedade e um novo eleitorado para agitar o sistema de políticas de grande capital. Estudos sobre programas de transferência condicionada de dinheiro em economias em desenvolvimento descobriram que tais políticas podem empoderar as mulheres e outros grupos marginalizados.

Mas o RBU é uma ideia ineficiente, até porque seria proibitivamente dispendiosa a menos que fosse acompanhado de cortes profundos no resto da rede de segurança. Nos EUA (população: 327 milhões), um RBU de apenas mil dólares por mês custaria cerca de quatro biliões de dólares por ano, valor que está próximo de todo o orçamento federal em 2018. Sem uma grande economia de custos, a receita fiscal federal dos EUA teria de ser duplicada, o que imporia enormes custos distorcionários na economia. E não, um RBU permanente não poderia ser financiado com dívida pública ou moeda recentemente impressa.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

https://prosyn.org/AsbYW6F/pt;
  1. benami155_ Ilia Yefimovichpicture alliance via Getty Images_netanyahu Ilia Yefimovich/Picture Alliance via Getty Images

    The Last Days of Netanyahu?

    Shlomo Ben-Ami

    In Israel's recent parliamentary election, voters stopped Prime Minister Binyamin Netanyahu's leadership of the country toward xenophobic theocracy. But Israel now faces a period of political deadlock, and it remains to be seen whether Netanyahu really will be politically sidelined.

    2
  2. oneill66_getty images_world Getty Images

    The Return of Fiscal Policy

    Jim O'Neill

    With interest rates at record lows and global growth set to continue decelerating, there has rarely been a better time for governments to invest in infrastructure and other sources of long-term productivity growth. The only question is whether policymakers in Germany and elsewhere will seize the opportunity now staring them in the face.

    1

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated Cookie policy, Privacy policy and Terms & Conditions