borrell6_artJazz_Getty Images_eu building artJazz/Getty Images

A Complacência Estratégica Europeia não é uma opção

BRUXELAS – A eleição de Joe Biden como o próximo presidente dos Estados Unidos suscitou esperanças na Europa de voltar a colocar a relação transatlântica no bom caminho. Mas não pode haver um simples regresso ao passado. Face a tantos desafios domésticos e internacionais, os EUA só valorizarão a relação transatlântica na medida em que essa relação proporcione um valor real. Uma Europa mais forte, que assuma mais responsabilidades globais, pode assegurar que isso aconteça.

Tem-se falado muito em alcançar "autonomia estratégica Europeia", mas o que é que isso significa na prática? A autonomia não deve implicar total independência ou isolamento em relação ao resto do mundo. Pelo contrário, refere-se a uma capacidade de pensar por si próprio e de agir de acordo com os seus próprios valores e interesses. A União Europeia precisa de alcançar este tipo de autonomia, reforçando ao mesmo tempo as nossas alianças e preservando os nossos compromissos com o multilateralismo e a uma abertura global.

A UE enfrenta sérios desafios estratégicos no atual ambiente internacional antagónico, onde as rivalidades geopolíticas e a competição de grandes potências estão a aumentar. É por isso que, como a Chanceler alemã Angela Merkel disse uma vez sem rodeios, "Nós, europeus, temos realmente de tomar o nosso destino nas nossas próprias mãos". Temos de nos manter de pé.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/2P9kEbupt