A Europa e o Fracasso do Negócio do Século

BRUXELAS – Enquanto a Europa analisa os escombros da megafusão que poderia ter criado a maior empresa do mundo no sector aeroespacial e da defesa, levantam-se questões sobre o papel inglório que a União Europeia teve no fracasso. O insucesso da Comissão Europeia na defesa da fusão de 50 mil milhões de dólares entre o consórcio franco-alemão European Aeronautic Defence and Space Company (EADS), proprietário da Airbus, e o britânico BAE Systems, é considerado como um factor crucial no fracasso da transacção.

A integração dos dois líderes da alta tecnologia em aviação e aviónica seria como um modelo para o sucesso industrial, inspirado pela UE. Desde há vários anos que os líderes da UE têm vindo a insistir na consolidação das indústrias de defesa da Europa, de modo que o acordo proposto - que teve origem nos conselhos de administração da EADS e da BAE Systems - parecia ser uma resposta aos seus apelos. No entanto, tanto a Comissão como o Parlamento Europeu ficaram silenciosos e negaram o apoio político que poderia ter assegurado o sucesso do acordo.

Uma advertência oportuna por parte dos líderes da UE sobre a importância estratégica do sector aeroespacial teria ajudado a dissipar muitas das dúvidas em Berlim, e, em menor medida, em Londres, que acabou por afundar o negócio. A aviação, tal como a defesa, é a maior das actividades inovadoras de I&D à disposição dos países avançados, gerando com regularidade importantes avanços tecnológicos. As querelas nacionalistas a respeito dos detalhes da fusão teriam sido atenuadas, caso tivesse havido intervenção de um estadista da Comissão em Bruxelas.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

Log in

http://prosyn.org/HNHgohs/pt;