A Tentação Francesa da Itália

FLORENÇA – A Itália está outra vez a ser ludibriada pela falsa esperança de que normalizará a sua política, se conseguir “reparar” as suas instituições. Desta vez, é o modelo Francês que seduz os líderes Italianos.

Desde as inconclusivas eleições gerais de Fevereiro, os legisladores Italianos conseguiram concordar apenas numa coisa: na reeleição do Presidente Giorgio Napolitano, de 88 anos, que o tornou no primeiro presidente com dois mandatos, desde que a Itália aboliu a monarquia em 1946. Os principais partidos de centro-esquerda e de centro-direita que apoiaram Napolitano – apesar dos protestos de Beppe Grillo e do seu contestatário Movimento Cinco Estrelas, que ganhou um quarto dos votos parlamentares – esperam que ele consiga supervisionar a criação de um governo de coligação de base alargada.

Mas abordar a miríade de fraquezas institucionais da Itália – que conduziram à ingovernabilidade, à fragmentação endémica, ao disfattismo (derrotismo) e à generalizada frustração pública com o sistema – implicará uma reforma do sistema político do país. Dado que a França ultrapassou fraquezas e impasses políticos similares com a criação da Quinta República, que inclui um executivo robusto liderado por um presidente poderoso, o modelo Francês parece ser um eficaz exemplo a seguir. Na verdade, à primeira vista, parece simples prosseguir uma mudança análoga em Itália.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/MFej8Uy/pt;