Skip to main content

Porque Deve a Alemanha Liderar ou Sair

NOVA IORQUE – A Europa está em crise financeira desde 2007. Quando a bancarrota do Lehman Brothers pôs em perigo o crédito das instituições financeiras, o crédito privado foi substituído pelo crédito soberano, revelando uma falha não reconhecida no euro. Ao transferir o seu direito de emitir moeda para o Banco Central Europeu (BCE), os países membros expuseram-se ao risco de incumprimento, como se se tratassem de países do Terceiro Mundo altamente endividados numa moeda estrangeira. Os bancos comerciais que detinham grandes quantidades de títulos do tesouro dos países mais fracos tornaram-se potencialmente insolventes.

Existe um paralelo entre a actual crise do euro e a crise bancária internacional de 1982. Na altura, o Fundo Monetário Internacional salvou o sistema bancário global ao emprestar dinheiro suficiente a países altamente endividados; o incumprimento foi evitado, mas ao custo de uma depressão prolongada. A América Latina perdeu uma década.

Hoje a Alemanha desempenha o mesmo papel que o FMI desempenhou na altura. O cenário difere, mas o efeito é o mesmo. Os credores estão a transferir todos os encargos do ajuste para os países devedores e a evitar a sua própria responsabilidade.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

Get unlimited access to PS premium content, including in-depth commentaries, book reviews, exclusive interviews, On Point, the Big Picture, the PS Archive, and our annual year-ahead magazine.

https://prosyn.org/0QY4Kad/pt;
  1. mallochbrown10_ANDREW MILLIGANAFPGetty Images_boris johnson cow Andrew Milligan/AFP/Getty Images

    Brexit House of Cards

    Mark Malloch-Brown

    Following British Prime Minister Boris Johnson's suspension of Parliament, and an appeals court ruling declaring that act unlawful, the United Kingdom finds itself in a state of political frenzy. With rational decision-making having become all but impossible, any new political agreement that emerges is likely to be both temporary and deeply flawed.

    0
  2. sufi2_getty Images_graph Getty Images

    Could Ultra-Low Interest Rates Be Contractionary?

    Ernest Liu, et al.

    Although low interest rates have traditionally been viewed as positive for economic growth because they encourage businesses to invest in enhancing productivity, this may not be the case. Instead, Ernest Liu, Amir Sufi, and Atif Mian contend, extremely low rates may lead to slower growth by increasing market concentration and thus weakening firms' incentive to boost productivity.

    4

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated Cookie policy, Privacy policy and Terms & Conditions