Bismarck contra Bismarck

ATENAS – A centralidade da Alemanha para a Europa e, mais amplamente, para os assuntos mundiais tem sido demonstrada de forma ampla, e muitas vezes sangrenta, ao longo de muitos séculos. Na verdade, a posição estratégica da Alemanha no coração da Europa, bem como o seu enorme potencial económico e militar, tornou-a primeiro num prémio pretendido e depois, após a conclusão da unificação alemã de Otto von Bismarck, em 1871, num Estado-nação a ser temido. O legado de Bismarck foi uma Alemanha que dominou a política da Europa até ao final da Segunda Guerra Mundial.

Esse legado está agora a reafirmar-se. Após o interlúdio da Guerra Fria, durante a qual a Alemanha serviu como centro de discórdia entre o Oriente e o Ocidente, a reunificação permitiu a reafirmação do poder alemão no contexto da União Europeia e, principalmente, da zona euro. Hoje, no entanto, a questão é saber se a Alemanha está pronta e disposta a fornecer liderança na condução dos assuntos da União Europeia - e, em caso afirmativo, com que finalidade.

A Europa enfrenta actualmente a crise mais desafiante do período pós-guerra. Após seis trimestres de recessão, a crise está a espalhar-se para os países centrais da zona euro. O desemprego, acima dos 12%, em média, está num patamar recorde. Em Espanha e na Grécia, mais de um quarto da mão-de-obra está desempregada, enquanto as taxas de desemprego rondam os 60% entre os jovens. Apesar da dura austeridade, os grandes défices fiscais persistem; os bancos permanecem descapitalizados e incapazes de suportarem uma recuperação económica sustentada.

To continue reading, please log in or enter your email address.

Registration is quick and easy and requires only your email address. If you already have an account with us, please log in. Or subscribe now for unlimited access.

required

Log in

http://prosyn.org/W3gdhcq/pt;