Hollande no Mali

PARIS – Enquanto centenas de milhares de pessoas se manifestavam em Paris contra o direito dos casais homossexuais ao casamento e à adopção de crianças, tropas francesas chegavam ao Mali para impedir uma coligação de Islamitas e de forças rebeldes de tomar o controlo da sua capital, Bamako, e de criar um santuário para terroristas no Sahel.

Estes são tempos de provação para o Presidente Francês François Hollande. Economicamente cercado no seu país, onde a sua popularidade está no ponto mais baixo desde que foi eleito no ano passado, poderá ele recuperar credibilidade, ou mesmo apoio, enquanto comandante supremo das forças Francesas?

Numa outra época, “eu intervenho, logo existo” podia muito bem ter sido um lema Francês, particularmente em África. Mas, embora a identidade nacional Francesa esteja intimamente ligada à posição internacional da França – e a como o resto do mundo a apercebe – o entusiasmo relativo à intervenção diminuiu. Os benefícios tornaram-se dúbios, enquanto os custos e os riscos se tornaram cada vez mais evidentes.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/MUcFGPL/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.