Uma conversação que pode sarar a Síria

LONDRES – A proposta dos Estados Unidos e da Rússia de realizar uma conferência diplomática para acabar com a carnificina na Síria merece uma reacção menos céptica do que a que tem recebido. Embora seja difícil conseguir levar brevemente todas as partes relevantes para a mesa de negociações, em Genebra, e muito menos garantir um resultado que irá perdurar, a verdade é que a diplomacia é a única jogada que resta. Por muito que se deseje algo diferente, todas as outras opções políticas discutidas, até agora, estão erradas quanto ao princípio, são inviáveis na prática, é pouco provável que sejam eficazes ou são susceptíveis de aumentarem em vez de diminuírem o sofrimento.

Após dois anos de guerra civil, com nenhuma vitória militar decisiva à vista em nenhum dos lados, a situação não poderia ser mais desesperante. De acordo com as actuais estimativas das Nações Unidas, já morreram mais de 80 mil sírios e 6,8 milhões - um terço da população do país - necessitam de assistência humanitária urgente. Cerca de 4,25 milhões estão deslocados internamente e mais de 1,5 milhões fugiram do país e foram acolhidos como refugiados, principalmente no Líbano, na Jordânia e na Turquia.

A pressão sobre os vizinhos da Síria é imensa e o conflito está inexoravelmente a infiltrar-se em toda a região. Tanto as forças governamentais como os rebeldes cometeram crimes hediondos. Temem-se muitos mais à medida que a violência entre os principais grupos sectários agrava-se.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/t0z8olw/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.