Globe

O que está a atrasar a economia mundial?

NOVA IORQUE – Sete anos depois de ter irrompido a crise financeira global em 2008, a economia mundial continuou a tropeçar em 2015. Segundo o relatório Situação e Perspectivas Económicas Mundiais para 2016 das Nações Unidas, a taxa média de crescimento nas economias desenvolvidas decresceu mais de 54% desde a crise. Estima-se que 44 milhões de pessoas estejam desempregadas nos países desenvolvidos, perto de 12 milhões mais do que em 2007, enquanto a inflação atingiu o seu nível mais baixo desde o início da crise.

O mais preocupante é que as taxas de crescimento dos países avançados também se tornaram mais voláteis. Isto é surpreendente, porque sendo economias desenvolvidas com contas de capital completamente abertas deveriam ter beneficiado do livre fluxo de capital e da partilha internacional do risco, e consequentemente deveriam ter sofrido pouca volatilidade macroeconómica. Além disso, as transferências sociais, incluindo os subsídios de desemprego, deveriam ter permitido que as famílias estabilizassem o seu consumo.

Mas as políticas dominantes durante o período pós-crise – a retracção fiscal e a flexibilização quantitativa (FQ) por parte dos principais bancos centrais – pouco fizeram para estimular o consumo das famílias, o investimento, e o crescimento. Pelo contrário, tenderam a piorar as coisas.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/PyAbLld/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.