pavlova1_pishitGetty Images_womanbusinessleader pishit/Getty Images

Aproveitar os empreendimentos femininos

LUXEMBURGO – Caso o leitor seja um investidor de capital de risco (NdT: VC, do inglês Venture Capitalist), será quase de certeza um homem. Mas faria bem em reconhecer que a sua melhor hipótese de garantir um desempenho superior ao do mercado consiste em investir o seu dinheiro numa empresa liderada por uma mulher.

Essa regra de ouro – cherchez la femme – simplificaria radicalmente as complicadas decisões de investimento dos VC. Porém, como os homens constituem 91% das fileiras executivas na indústria de VC, o desempenho dos resultados das empresas lideradas por mulheres tem sido cronicamente negligenciado.

A garantia do financiamento que permita às empresas lideradas por mulheres atingirem o seu potencial é necessária para incentivar a inovação europeia. A perda anual de produtividade para a União Europeia, resultante dos empregos abandonados por mulheres no sector das tecnologias de informação e comunicação (TIC), ascende a cerca de 16,2 mil milhões de euros (19,1 mil milhões de dólares). Apesar das mulheres representarem perto de 52% da população global da Europa, são apenas 34% dos trabalhadores independentes da UE e 30% dos seus empreendedores de start-ups. O que é pior, em 2017, as empresas de TIC lideradas por mulheres eram responsáveis por menos de 10% dos capitais de risco investidos no continente.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/I7GcZMtpt