Uzbeks look at the daily sampling of newspapers Scott Peterson/ GETTY IMAGES

Libertar jornalistas não significa libertar a imprensa

NOVA IORQUE – Durante o primeiro ano e meio do seu mandato, o presidente usbeque Shavkat Mirziyoyev transformou a liberdade de imprensa num ponto central da sua agenda reformista. Depois dos 27 anos de censura e do regime férreo do falecido Islam Karimov, os meios de comunicação social do Uzbequistão nunca estiveram tão livres.

Mas a continuação desta evolução dependerá de mais que promessas de um presidente reformista: obrigará a acabar com o legado de assédio, intimidação e detenções que tem flagelado os jornalistas do país durante décadas. E significará compensar aqueles que mais sofreram, nomeadamente Yusuf Ruzimuradov e Muhammad Bekjanov, dois dos jornalistas que mais tempo estiveram presos em todo o mundo.

A 15 de Março de 1999, Ruzimuradov e Bekjanov foram detidos enquanto trabalhavam no Erk, um jornal da oposição em idioma usbeque, sediado em Kiev, na Ucrânia. Ruzimuradov era repórter do jornal e Bekjanov era o seu editor principal. Depois de detidos, foram torturados e extraditados para o Uzbequistão, onde foram condenados à prisão com base em acusações forjadas de distribuição de um jornal ilegal e de preparação de um golpe de estado.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To read this article from our archive, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/smjymmQ/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.