stiglitz306_Rick LoomisGetty Image_qanon Rick Loomis/Getty Images

Como podem os EUA perder a nova Guerra Fria

NOVA IORQUE – Parece que os Estados Unidos entraram numa nova guerra fria com a China e a Rússia. E o retrato que os líderes dos EUA fazem do confronto entre democracia e autoritarismo é moralmente questionável, principalmente numa altura em que os mesmos líderes estão a cortejar ativamente um violador sistemático dos direitos humanos como a Arábia Saudita. Tal hipocrisia sugere que o que está realmente em jogo é, pelo menos em parte, a hegemonia global e não os valores.

Durante duas décadas, após a queda da Cortina de Ferro, os EUA foram claramente o número um. Mas depois vieram as guerras desastrosamente mal orientadas no Médio Oriente, a crise financeira de 2008, o aumento da desigualdade, a epidemia de opiáceos e outras crises que aparentaram lançar dúvidas sobre a superioridade do modelo económico dos Estados Unidos. Além disso, entre a eleição de Donald Trump, a tentativa de golpe no Capitólio dos EUA, vários tiroteios coletivos, um Partido Republicano empenhado em suprimir os eleitores e o surgimento de cultos de conspiração como o QAnon, há indícios mais do que suficientes para sugerir que alguns aspetos da política e vida social dos EUA tornaram-se profundamente patológicos.

É claro que a América não quer ser destronada. Mas é simplesmente inevitável que a China ultrapasse os EUA economicamente, independentemente do indicador oficial que se utilize. Não só a sua população é quatro vezes maior que a dos Estados Unidos, como também a sua economia cresceu três vezes mais rápido durante muitos anos (na verdade, já ultrapassou os EUA em termos de paridade de poder de compra em 2015).

To continue reading, register now.

As a registered user, you can enjoy more PS content every month – for free.

Register

or

Subscribe now for unlimited access to everything PS has to offer.

https://prosyn.org/MSRR4Zfpt