Desafios Fiscais e Loucuras Fiscais

BERKELEY – Para onde se dirige a economia da América em 2013? A recuperação continuará ao seu ritmo frustrantemente lento? Ou acelerará à medida que o sector da habitação volte a produzir, que se expanda o crédito bancário, que melhore a conta de exploração das famílias, e que se fortaleçam os orçamentos dos governos estaduais e locais?

Com a dissipação dos ventos contrários na economia, as perspectivas dos Estados Unidos para um mais rápido crescimento do PIB parecem prometedoras. Mas também existe um risco significativo de que uma grande e desnecessária dose de austeridade fiscal reduza a procura, mine a confiança, e empurre a economia outra vez para a recessão.

Desde 2010, a média do crescimento anual do PIB foi cerca de 2.1%, menos de metade da média verificada em anteriores recuperações de recessões nos EUA durante os últimos 60 anos. O crescimento lento do PIB tem implicado um crescimento lento do emprego. A taxa de desemprego continua perto de dois pontos percentuais mais alta do que o nível considerado pela maior parte dos economistas como consistente com uma plena recuperação, e a taxa de participação da força de trabalho paira por mínimos históricos. A economia está ainda a funcionar abaixo do seu potencial: o PIB está cerca de 6% abaixo da capacidade total da economia sem uma inflação mais elevada.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To continue reading, please log in or register now. After entering your email, you'll have access to two free articles every month. For unlimited access to Project Syndicate, subscribe now.

required

By proceeding, you are agreeing to our Terms and Conditions.

Log in

http://prosyn.org/OMkEAEC/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.