sachs348_Paula Bronstein Getty Images_afghanistangirlsschool Paula Bronstein/Getty Images

O G7, a ONU e o futuro do Afeganistão

NOVA YORK – Esta semana, os líderes do G7 se reunirão para discutir a situação do Afeganistão. É crucial que os líderes do G7 pensem claramente sobre os importantes objetivos para o país, a fim de evitar mais um ciclo de miséria, derramamento de sangue e fluxos em massa de refugiados. 

Acima de tudo, eles deveriam usar a reunião apenas para coordenar as políticas entre os sete países em preparação para as ações do órgão muito mais importante, o Conselho de Segurança das Nações Unidas. Sem a China e a Rússia à mesa, não há possibilidade de uma abordagem internacional coerente para o Afeganistão.

Com isso em mente, o G7 deveria ter como objetivo se envolver com o Afeganistão sob o regime do Taleban, não isolar ou matar o país de fome. Isso é importante não apenas como tática de curto prazo para ajudar a tirar ocidentais e afegãos vulneráveis ​​do país de forma pacífica, mas também para evitar futuros banhos de sangue, crises humanitárias e ondas de refugiados. Por mais tentador que seja para os Estados Unidos e seus aliados do G7 colocar um controle de longo prazo sobre as reservas cambiais do Afeganistão, congelar a ajuda ao desenvolvimento e intensificar as sanções dos EUA (e possivelmente da ONU), tal abordagem está fadada ao fracasso, tão previsivelmente quanto a missão de 20 anos da OTAN acaba de fracassar.

We hope you're enjoying Project Syndicate.

To continue reading, subscribe now.

Subscribe

or

Register for FREE to access two premium articles per month.

Register

https://prosyn.org/3XDpPKypt