Gordon Brown makes keynote speech at the Leading not Leaving’ initiative Christopher Furlong/Getty Images

Liderar, não deixar, a Europa

EDIMBURGO – Poderá alguma vez o Reino Unido resignar-se a fazer parte da Europa? Se os recentes títulos dos jornais britânicos sobre o referendo de 23 de junho para continuar como membro da União Europeia servirem como indicadores, a resposta parece ser um “não” decisivo.

Os defensores da saída da UE fizeram uma campanha baseada no medo da imigração em fuga e numa cascata de supostos perigos – seja por barco ou com bombas – ao estilo de vida britânico. Os seus opositores, que querem que o Reino Unido continue a fazer parte da Europa, destacam outro medo: a perda de postos de trabalho que são dependentes do comércio europeu.

Os slogans contínuos em torno destas plataformas expuseram visões do mundo conflituosas. A retórica dos defensores “Sair” evoca o espírito de Dunquerque em 1940 – uma nação que se mantém sozinha, inacessível à invasão de armadas e exércitos e sempre ferozmente independente da Europa.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/zE0JeZn/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.