Deixar o Afeganistão?

NOVA DELI – Após ser reeleito, o Presidente Barack Obama proferiu um discurso de vitória em Chicago, perante uma multidão extasiada, afirmando que o "conflito de uma década" dos EUA no Afeganistão iria agora terminar. Esta afirmação foi acolhida com um aplauso prolongado - o que é compreensível. Na verdade, esta guerra insensata - iniciada com base numa resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas - arrasta-se há 11 anos, o que a torna na mais longa guerra da história americana.

No início, o objectivo desta guerra era eliminar a Al-Qaeda, derrotar os Taliban e transformar o Afeganistão num país que, de certa forma, se assemelhasse a um Estado-nação de estilo ocidental. Dado que nenhum desses objectivos foi plenamente alcançado, a intervenção dos Estados Unidos - tal como todas as outras intervenções na história do Afeganistão - está a terminar de forma insatisfatória.

Quando o pano cair, dois aspectos terão grande influência sobre o processo de retirada e o resultado final. O primeiro tem a ver com a gestão da transição para o controle afegão, que depende de uma retirada ordeira das forças americanas e da OTAN, em 2014. O segundo refere-se à eleição, também em 2014, de um novo presidente afegão – é necessário que este processo permita aos Estados Unidos e aos seus aliados da NATO afirmar de forma plausível que estão a entregar o país a um governo legítimo.

To continue reading, please log in or enter your email address.

To access our archive, please log in or register now and read two articles from our archive every month for free. For unlimited access to our archive, as well as to the unrivaled analysis of PS On Point, subscribe now.

required

By proceeding, you agree to our Terms of Service and Privacy Policy, which describes the personal data we collect and how we use it.

Log in

http://prosyn.org/s3w5iE5/pt;

Cookies and Privacy

We use cookies to improve your experience on our website. To find out more, read our updated cookie policy and privacy policy.